SUDAMERICUNGULADOS

Sudamericungulates
Juntamente com os panameriungulados, os sudamericungulados foram mamíferos ungulados que no passado evoluíram em isolamento na América do Sul. Estudos moleculares recentes sugerem uma maior afinidade evolutiva com os afrotérios - mamíferos que incluem elefantes e hiracóides – sugerindo que seus ancestrais tenham chegado ao continente sul-americano originários da África. Supõe-se que por volta de 50 milhões de anos o nível do Oceano Atlântico tenha regredido, formando cadeias de ilhas conectando os dois continentes. Os ancestrais dos sudamericungulados podem ter utilizado essa rota para dispersar-se e chegar até nosso continente. Atualmente todos os sudamericungulados estão extintos, mas seus fósseis são comuns nos depósitos sedimentares brasileiros.

Alongside panameriungulates, sudamericungulates were ungulates that in the past evolved in isolation in South America. Recent molecular studies suggest closer affinities with the afrotherians - like elephants and hyracoids - suggesting that their ancestors arrived from Africa. It is assumed that around 50 million years ago the level of the Atlantic Ocean had decreased, resulting in island. routes connecting these two continents. The ancestors of the sudamericungulates may have used this way to disperse and reach our continent. Currently, all sudamericungulates are extinct, but their fossils are common in Brazilian sedimentary deposits.
Carodnia vieirai
Tetragonostylops aphtomasi
Xenastrapotherium amazonense
Nanolophodon tutuca
Taubatherium paulacoutoi
Ancylocoelus sp
Stereotoxodon sp
Plesiotoxodon amazonensis
Toxodontherium listai
Trigodon sp
Abothrodon pricei
Mesotoxodon pricei
Neotrigodon utoquineae
Neotoxodon pascuali
Minitoxodon acreensis
Nesodon imbricatus
Palaeotoxodon sp
Paratrigodon enguii
Mesenodon juruanensis
Gyrinodon quassus
Mixotoxodon larensis
Toxodon platensis
Trigodonops lopesi
BLOQUEADO
BLOQUEADO
BLOQUEADO
BLOQUEADO
BLOQUEADO
BLOQUEADO
BLOQUEADO

PARA SABER MAIS  find more about

BERGQVIST, L.P. 1996. Reassociação do pós-crânio às espécies de ungulados da bacia de S. J. de Itaboraí (Paleoceno), Estado de Rio de Janeiro, e filogenia dos “Condylarthra” e ungulados sulamericanos com base no pós-crânio. Tese (Doutorado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 406p.

 

BERGQVIST, L.P.; ALMEIDA, E.B. 2004. Biodiversidade de mamíferos fósseis brasileiros. Revista Universidade de Garulhos. Garulhos: Universidade de Guarulhos, 9 (6): p.54-68.

 

BERGQVIST, L.P.; BASTOS, A.C.F. 2009. A postura locomotora de Colbertia magellanica (Mammalia, Notoungulata) da Bacia de São José do Itaboraí (Paleoceno Superior), Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Paleontologia. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Paleontologia, 12 (1): p.83-89.

 

BERTINI, R.J. 1979. Estudo sistemático dos notoungulados. Dissertação (Mestrado). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 125p.

 

CARTELLE, C. 1994. Tempo passado: mamíferos do Pleistoceno de Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora Palco, 131p.

 

CARTELLE, C. 2012. Das grutas à luz: Os mamíferos pleistocênicos de Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora Bicho do Mato, 236p.

 

COZZUOL, M.A. 2006. The Acre Vertebrate Fauna: Diversity and Geography. Journal of South American Earth Sciences. Amsterdam: Elsevier, 21: p.185-203.

 

FORASIEPI, A.; MARTINELLI, A.; BLANCO, J. (ilust). 2008. Bestiario Fosil: Mamiferos del Pleistoceno de la Argentina (3ed.). Buenos Aires: Albatros Ediciones, 190p. 

 

GALLO, V.S.B.; SILVA, H.M., BRITO, P.M.; FIGUEIREDO, F.J. (orgs.). 2012. Paleontologia de Vertebrados: Relações entre América do Sul e África. Rio de Janeiro: Interciência, 336p.

 

HAAG, N.A. 2009. Paleoecologia do Mioceno Superior da Amazônia Sul-Ocidental. Dissertação (Mestrado). Rio Branco: Universidade Federal do Acre, 73p.

 

HOORN, C.; WESSELINGH, F. 2010. Amazonia, Landscape and Species Evolution: A Look into the Past. Oxford: Wiley-Blackwell Publishers, 464p.

 

MCKENNA, M.C.; BELL, S.K. 1997. Classification of Mammals Above the Species Level. New York: Columbia University Press, 631p.

 

MELO, D.J.; BERGQVIST, L.P.; ALVARENGA, H.M.F. 2007. Considerações Paleoecológicas sobre os Notoungulados da Formação Tremembé, Bacia de Taubaté (São Paulo, Brasil). Anuário do Instituto de Geociências. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 30 (1): p.77-82.

 

PAULA-COUTO, C. 1953. Paleontologia Brasileira: Mamíferos. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 521p.

 

PAULA-COUTO, C. 1979. Tratado de Paleomastozoologia. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 590p.

 

RANZI, A. 2000. Paleoecologia da Amazônia: Megafauna do Pleistoceno. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 101p.

 

RIBEIRO, A.M. 1994. Leontinideos e Notohipideos (Toxodontia, Notoungulata) da Formação Tremembé, Bacia de Taubaté, Estado de São Paulo, Brasil. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 152p.

 

SANTOS, R.M.N. 2007. Revisão dos toxodontes pleistocênicos brasileiros e considerações sobre Trigonops lopesi (Roxo, 1921) (Notoungulata, Toxodontidae). Dissertação (Mestrado). São Paulo: Universidade de São Paulo, 114p.

 

SANTOS, R.M.N. 2012. Diversidade de toxodontes pleistocênicos (Notoungulata, Toxodontidae): uma nova visão. Tese (Doutorado). São Paulo: Universidade de São Paulo, 151p.