Visitantes desde 08 de Fevereiro de 2016

Visitors since February 08, 2016

A reprodução ou publicidade de seu conteúdo são permitidas apenas para finalidade educativa, desde que citada a fonte.

Reproduction or publicity of any of content  are allowed exclusively for educational purposes, with mention about the source .

 

DICINODONTES

Dicynodonts
Conhecemos quase uma centena de espécies de dicinodontes, o que os torna a mais diversa linhagem de sinápsidos depois dos mamíferos. Embora atualmente extintos, estes animais ocuparam vastos ambientes do planeta entre 270 e 200 milhões de anos atrás, tendo sobrevivido a alguns dos mais dramáticos momentos na história da biodiversidade. O corpo atarracado, sustentado por membros fortes e terminando em uma cauda curta, assim como o bico córneo na extremidade do focinho, estão entre suas feições mais singulares. No Brasil, fósseis de dicinodontes são comuns no Sul do país e considerados de grande importância para a compreensão da história evolutiva do grupo e sua distribuição pelo planeta.
 
 
Today we know nearly a hundred of dicynodonts species, which makes them the most diverse synapsid lineage after mammals. Now extinct, these animals occupied worldwide land environments from 270 to 200 million years ago, surviving after some of the most dramatic moments in the biodiversity's history. The stocky body supported by strong limbs and ending in a short tail, as well as the horny beak at muzzle's end, are their most distinctive features. Dicynodonts fossils are common in southern Brazil and are considered very relevant for our understanding about their evolutionary history and distribution around the globe.
 
 

PARA SABER MAIS  find more about

BENTON, M.J. 2005. Vertebrate Palaeontology (3ed.). Oxford: Blackwell Publishing, 455p.

 

BOOS, A.D.S. 2012. Descrição osteológica de um exemplar de Endothiodon (Synapsida, Dicynodontia) proveniente da Serra do Cadeado (Formação Rio Do Rasto, Permiano Superior) e suas implicações bioestratigráficas e paleobiogeográficas. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 59p.

 

DIAS, C.V.; MAISCH, M.; SCHWANKE, C. 2005. The taxonomic status of Stahleckeria potens Lucas 2002 (Therapsida, Dicynodontia): redescription and discussion of its phylogenetic position. Revista Brasileira de Paleontologia. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Paleontologia, 8 (3): p.221-228.

 

GALLO, V.S.B.; SILVA, H.M., BRITO, P.M.; FIGUEIREDO, F.J. (orgs.). 2012. Paleontologia de Vertebrados: Relações entre América do Sul e África. Rio de Janeiro: Interciência, 336p.

 

HEISER, J.B.; JANIS, C.M.; POUGH, F.H. 2008. A Vida dos Vertebrados (4ed.). São Paulo: Atheneu, 718p.

 

HOLZ, M.; ROS, L.F. (orgs.). 2000. Paleontologia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora UFRGS, 397p.

 

HOPSON, J.A. 1987. The Mammal-Like Reptiles: A Study of Transitional Fossils. The American Biology Teacher. Washington: National Association of Biology Teachers, 49 (1): p.16-26.

 

KAMMERER, C.F.; ANGIELCZYK, K.D. 2009. A proposed higher taxonomy of anomodont therapsids. Zootaxa. Auckland: Magnolia Press, 2018: p.1-24.

 

KEMP, T.S. 2006. The origin and early radiation of the therapsid mammal-like reptiles: a paleobiological hypothesis. Journal of Evolutionary Biology. London: European Society for Evolutionary Biology, 19 (4): p.1231-1247.

 

LECOINTRE, G.; LE GUYADER, H. 2007. The Tree of Life: A Phylogenetic Classification. Cambridge: Harvard University Press, 560p.

 

MORATO, L. 2006. Dinodontosaurus (Synapsida, Dicynodontia): reconstituições morfológicas e aspectos biomecânicos. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 158p.

 

ROSA, A.A.S. (org.). 2009. Vertebrados Fósseis de Santa Maria e Região. Santa Maria: Pallotti, 478p.

 

SCHWANKE, C. 1995. A utilização de dicinodontes em correlações bioestratigráficas no Meso e Neotriássico. Comunicações do Museu de Ciência e Tecnologia UBEA/PUCRS: Série Ciências da Terra. Porto Alegre: MCT, 1: p. 57-62.

 

SCHWANKE, C.; BARBERENA, D.C.A. 1995. Sobre a ocorrência do gênero Ischigualastia Cox, 1962 na Formação Santa Maria, Trássico do Rio Grande do Sul. Anais da Academia Brasileira de Ciências. Rio de Janeiro: ABC, 67 (2): p.175-181.

 

SCHWANKE, C.; MACHADO, M. 1995. Reconstrução Paleobiogeográfica do Gondwana (Triássico) Mediante o estudo dos dicinodontes. Comunicações do Museu de Ciência e Tecnologia UBEA/PUCRS: Série Ciências da Terra. Porto Alegre: MCT, 1: p.51-56.

 

STEYER, S.; BENETEAU, A.(ilust). 2012. Earth Before the Dinosaurs. Bloomington: Indiana University Press, 200p.