Mosassauros formavam uma linhagem extinta de animais de corpo longilíneo e membros transformados em nadadeiras - adaptações fundamentais para a vida no ambiente aquático. Predadores vorazes, viveram principalmente em águas costeiras e oceânicas, entre 96 e 66 milhões de anos atrás. Os menores mosassauros mediam menos de 2m de comprimento, mas algumas espécies atingiram assustadores 18m do focinho à ponta da cauda. Sua origem ainda não é bem compreendida, e por esta razão interpretações sobre suas afinidades evolutivas podem variar entre os especialistas: a maioria parece concordar, entretanto, que lagartos e serpentes constituem seus parentes mais próximos ainda vivos. No Brasil fósseis de mosassauros não são especialmente comuns, e quase sempre são compostos por dentes isolados.
 
 
Mosasaurs formed an extinct lineage of long-bodied animals with flippers-like limbs - essential adaptations for an aquatic lifestyle. These voracious predators lived mainly in coastal and oceanic waters, from 96 to 66 million years ago. The smaller mosasaurs measured less than 2 meters in length, but some species have reached fearsome 18 meters from snout to tail. Their origin remains not well understood, so interpretations of their evolutionary affinities may vary among experts: most seem to agree, however, that lizards and snakes are their closest living relatives. In Brazil, fossil remains of mosasaurs are not particularly common - often just isolated teeth.

MOSASSAUROS

Mosasaurs
 

PARA SABER MAIS  find more about

BENGTSON, P.; LINDGREN, J. 2005. First record of the mosasaur Platecarpus Cope, 1869 from South America and its systematic implications. Revista Brasileira de Paleontologia. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Paleontologia, 8 (1): p.5-12.

 

BERTINI, R.J. 2002. Os fósseis da bacia de Sergipe-Alagoas: Os répteis (amniotas reptilianos). Revista Paleontológica Phoenyx. Aracaju: Fundação Paleontológica Phoenyx, 4 (42): p.1-4.

 

CALDWELL, M.W. 1999. Squamate phylogeny and the relationships of snakes and mosasauroids. Zoological Journal of the Linnean Society. London: The Linnean Society, 125: p.115-147.

 

CARVALHO, L.B. 1996. A ocorrência de lagartos marinhos (Mosasauridae: Lepidosauria) e sua associação faunística no Cretáceo da Bacia Pernambuco-Paraíba, Nordeste do Brasil. Dissertação (Mestrado). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 194p.

 

CARVALHO, L.B.; AZEVEDO, S.A.K. 1998. Proposta taxonômica para os répteis marinhos (Lepidosauria: Mosasauridae) do Neocretáceo da Bacia Pernambuco-Paraíba, Nordeste do Brasil. Boletim do Museu Nacional – Nova Série: Geologia. Rio de Janeiro: Museu Nacional/UFRJ, 43: p.1-14.

 

MODESTO, S.P.; ANDERSON, J.S. 2004. The phylogenetic definition of Reptilia. Systematic Biology. Oxford: The Oxford University Press, 53 (5): p.815-821.

 

PRICE, L.I. 1957. A presença de Globidens no Cretáceo Superior do Brasil. Boletim do Departamento Nacional de Produção Mineral. Rio de Janeiro: DNPM, 169: p.1-24.

 

SILVA, M.C. 2007. Os vertebrados da Bacia da Paraíba: Cretáceo Superior-Paleoceno, Nordeste do Brasil. Dissertação (Mestrado). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 201p.

 

VILAS-BOAS, I.; CARVALHO, I.S. 2001. Répteis marinhos (Mosasauria e Plesiosauria) do Cretáceo Superior da Bacia de São Luís (Maranhão, Brasil). In: Rossetti, D.F.; Góes, A.M; Truckenbrodt, W. (orgs.) O Cretáceo da Bacia de São Luís-Grajaú. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, p.223-233.

Visitantes desde 08 de Fevereiro de 2016

Visitors since February 08, 2016

A reprodução ou publicidade de seu conteúdo são permitidas apenas para finalidade educativa, desde que citada a fonte.

Reproduction or publicity of any of content  are allowed exclusively for educational purposes, with mention about the source .