Visitantes desde 08 de Fevereiro de 2016

Visitors since February 08, 2016

A reprodução ou publicidade de seu conteúdo são permitidas apenas para finalidade educativa, desde que citada a fonte.

Reproduction or publicity of any of content  are allowed exclusively for educational purposes, with mention about the source .

 

DIPNÓICOS

Lungfishes
Dipnóicos vivem exclusivamente em água-doce e respiram por meio de pulmões muito semelhantes aos encontrados nos vertebrados terrestres. Ao invés de dentes, possuem placas ósseas no palato e nas mandíbulas chamadas odontódios. Por causa de sua composição - que os torna resistentes à degeneração - odontódios frequentemente são encontrados preservados, constituindo o principal registro fóssil dos dipnóicos. Detalhes da forma e da textura de sua superfície são tão peculiares que costumam ser adotados por paleontólogos para identificar as diferentes espécies.
 
]
Lungfishes live exclusively in freshwater and breathe air using lungs very similar to those found in terrestrial vertebrates. Instead of teeth, they have bony plates on the palate and jaws called odontodes. Their composition make them resistant to degeneration, so odontodes are often found preserved, constituting the main fossil record of the lungfishes. Details of their morphology and of the texture surface are so peculiar that paleontologists often use them to identify different lungfish species.
 
 

PARA SABER MAIS  find more about

BENTON, M.J. 2005. Vertebrate Palaeontology (3ed.). Oxford: Blackwell Publishing, 455p.

 

BOND, E.C. 1996. Biology of Fishes (2ed.). Orlando: Saunders College Publisher, 750p.

 

CASTRO, D.F.; TOLEDO, C.E.V.; SOUSA, E.P.; MEDEIROS, M.A. 2004. Nova ocorrência de Asiatoceratodus (Osteichthyes, Dipnoiformes) na Formação Alcântara, eo-Cenomaniano da Bacia de São Luís, MA, Brasil. Revista Brasileira de Paleontologia. Porto Alegre, Sociedade Brasileira de Paleontologia, 7 (2): p.245-248.

 

COZZUOL, M.A. 2006. The Acre Vertebrate Fauna: Diversity and Geography. Journal of South American Earth Sciences. Amsterdam: Elsevier, 21: p.185-203.

 

DUTRA, M.F.A.; MALABARBA, C.S.L. 2001. Peixes do Albiano-Cenomaniano do Grupo Itapecuru no Estado do Maranhão, Brasil. In: Rossetti, D.F.; Góes, A.M.; Truckenbrodt, W. (orgs.). O Cretáceo da Bacia de São Luís-Grajaú. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, p.191-208.

 

GALLO, V.S.B.; SILVA, H.M., BRITO, P.M.; FIGUEIREDO, F.J. (orgs.). 2012. Paleontologia de Vertebrados: Relações entre América do Sul e África. Rio de Janeiro: Interciência, 336p.

 

HEISER, J.B.; JANIS, C.M.; POUGH, F.H. 2008. A Vida dos Vertebrados (4ed.). São Paulo: Atheneu, 718p.

 

HOLZ, M.; ROS, L.F. (orgs.). 2000. Paleontologia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora UFRGS, 397p.

 

LONG, J.A. 1996. The Rise of Fishes: 500 Million Years of Evolution. Baltimore: The John Hopkins University Press, 224p.

 

LECOINTRE, G.; LE GUYADER, H. 2007. The Tree of Life: A Phylogenetic Classification. Cambridge: Harvard University Press, 560p.

 

MEDEIROS, M.A. 2001. A Laje do Coringa (ilha do Cajual, bacia de São Luís, baía de São Marcos, MA): conteúdo fossilífero, bioestratinomia, diagênese e implicações na paleobiogeografia do Mesocretáceo do nordeste Brasileiro. Tese (Doutorado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 134p.

 

NELSON, J.S. 2006. Fishes of the World (4ed.). New York: Wiley, 624p.

 

ROSA, A.A.S. (org.). 2009. Vertebrados Fósseis de Santa Maria e Região. Santa Maria: Pallotti, 478p.

 

SOUSA, E.P. 2006. Os Dipnoiformes da Formação Alcântara (Albocenomaniano), Ilha do Cajual, Maranhão. Dissertação (Mestrado). Rio Claro: Universidade Estadual Paulista, 117p.

 

SILVA, V.G.; AZEVEDO, S.A.K. 1996. Um dipnóico da Formação Brejo Santo, Jurássico da Chapada do Araripe, Ceará, Brasil. Anais da Academia Brasileira de Ciências. Rio de Janeiro: ABC, 64: p.419-420.

 

SILVA-SANTOS, R. 1987. Lepidosiren megalos n. sp. do Terciário do Estado do Acre-Brasil. Anais da Academia Brasileira de Ciências. Rio de Janeiro: ABC, 59: p.375-384.

 

TOLEDO, C.E.V.; BERTINI, R.J. 2005. Ocurrences of the fossil Dipnoiformes in Brazil and its stratigraphic and Chronological distributions. Revista Brasileira de Paleontologia. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Paleontologia, 8 (1): p.47-56.