Visitantes desde 08 de Fevereiro de 2016

Visitors since February 08, 2016

A reprodução ou publicidade de seu conteúdo são permitidas apenas para finalidade educativa, desde que citada a fonte.

Reproduction or publicity of any of content  are allowed exclusively for educational purposes, with mention about the source .

 

SARCOPTERÍGIOS

Sarcopterygians
Entre os osteíctios, os sarcopterígios destacam-se por suas nadadeiras carnosas e ossificadas - uma condição que os aproxima evolutivamente dos vertebrados terrestres. Sua diversidade - que foi significativamente mais alta no passado - atualmente resume-se a apenas 8 espécies. Fósseis de sarcopterígios ocorrem no Brasil em depósitos originados tanto em ambientes de água-doce quanto marinhos. 
 
 
Among osteichthyans, sarcopterygians stands out for their fleshy and ossified fins - a condition that brings them closer to the land vertebrates. Their diversity - which was significantly higher in the past - now comprises only 8 living species. In Brazil sarcopterygians fossils use to be found in deposits originated both from freshwater and marine environments.

PARA SABER MAIS  find more about

BENTON, M.J. 2005. Vertebrate Palaeontology (3ed.). Oxford: Blackwell Publishing, 455p.

 

BOND, E.C. 1996. Biology of Fishes (2ed.). Orlando: Saunders College Publisher, 750p.

 

CASTRO, D.F.; TOLEDO, C.E.V.; SOUSA, E.P.; MEDEIROS, M.A. 2004. Nova ocorrência de Asiatoceratodus (Osteichthyes, Dipnoiformes) na Formação Alcântara, eo-Cenomaniano da Bacia de São Luís, MA, Brasil. Revista Brasileira de Paleontologia. Porto Alegre, Sociedade Brasileira de Paleontologia, 7 (2): p.245-248.

 

DUTRA, M.F.A.; MALABARBA, C.S.L. 2001. Peixes do Albiano-Cenomaniano do Grupo Itapecuru no Estado do Maranhão, Brasil. In: Rossetti, D.F.; Góes, A.M.; Truckenbrodt, W. (orgs.). O Cretáceo da Bacia de São Luís-Grajaú. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, p.191-208.

 

GALLO, V.S.B.; SILVA, H.M., BRITO, P.M.; FIGUEIREDO, F.J. (orgs.). 2012. Paleontologia de Vertebrados: Relações entre América do Sul e África. Rio de Janeiro: Interciência, 336p.

 

HEISER, J.B.; JANIS, C.M.; POUGH, F.H. 2008. A Vida dos Vertebrados (4ed.). São Paulo: Atheneu, 718p.

 

HOLZ, M.; ROS, L.F. (orgs.). 2000. Paleontologia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora UFRGS, 397p.

 

LONG, J.A. 1996. The Rise of Fishes: 500 Million Years of Evolution. Baltimore: The John Hopkins University Press, 224p.

 

LECOINTRE, G.; LE GUYADER, H. 2007. The Tree of Life: A Phylogenetic Classification. Cambridge: Harvard University Press, 560p.

 

MAISEY, J.G. 1991. Santana Fossils: An Illustrated Atlas. Neptune City: T.F.H. Publications, 459p. 

 

MAISEY, J.G. 1996. Discovering Fossil Fishes. New York: Henry Holt & Co, 223p.

 

MEDEIROS, M.A. 2001. A Laje do Coringa (ilha do Cajual, bacia de São Luís, baía de São Marcos, MA): conteúdo fossilífero, bioestratinomia, diagênese e implicações na paleobiogeografia do Mesocretáceo do nordeste Brasileiro. Tese (Doutorado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 134p.

 

NELSON, J.S. 2006. Fishes of the World (4ed.). New York: Wiley, 624p.

 

ROSA, A.A.S. (org.). 2009. Vertebrados Fósseis de Santa Maria e Região. Santa Maria: Pallotti, 478p.